quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Indireta para alguém que não está mais entre nós




É estranho andar por aí e não vê-la, não ouvi-la e mais estranho ainda saber que não voltarei a ouvi-la.
É difícil segurar as lagrimas que vem junto com a saudade.
É ruim saber que nunca mais teremo-na por perto.
É inevitável olhar pra certas coisas e não se lembrar dela porque é impossível esquecer.
Afinal ela ainda está aqui de alguma forma, pois meu coração nunca permitirá que ela se vá.

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Recomendando filme


A Escolha Perfeita 


Pitch Perfect (original title)

 112 min  -  Comedy | Music | Romance  -  7 December 2012 (Brazil)

Director: 

Jason Moore

Writers: 

Kay Cannon (screenplay)Mickey Rapkin (book)
Beca, a freshman at Barden University, is cajoled into joining The Bellas, her school's all-girls singing group. Injecting some much needed energy into their repertoire, The Bellas take on their male rivals in a campus competition.
Hum... Beca é uma novata na universidade de Barden e ela acaba entrando num grupo à capela chamado The Bellas. Daí tem as nacionais e o The Bellas SEMPRE apresenta a mesma musica e a mesma coreografia, então a Beca chega pra mudar tudo. 
Esse filme já estreou nos EUA há tipo... Séculos! Mas só chegou no Brasil agora e eu fui assisti-lo hoje. Não é um musical porque as pessoas não começam a cantar e a dançar do nada, mas é como se fosse um.
Eu adorei, pra falar a verdade. As musicas são atuais e animadas e o filme é MEGA engraçado.

RECOMENDO
TRAILER

sábado, 24 de novembro de 2012

Recomendando filme



         Intrusos



SINOPSE: “Intruders“, thriller que estrela Clive Owen (“Duplicidade”) e Carice van Houten (“Os Coletores”), mostrando duas famílias com uma rotina aparentemente normal, em que os pais se dedicam aos filhos. O personagem de Owen começa a se preocupar quando sua filha passa a ter pesadelos frequentes e misteriosos monstros passam a atormentá-los. Paralelamente, a vida de outra família também muda assustadoramente.

ORIGINAL:
Intruders (2011)
TAGS:
DIRETOR:
ROTEIRISTA:

Bem, para primeira postagem eu escolhi dar uma dica de filme (um filme do ano passado que eu só descobri agora que já está passando na televisão)

Quem aí curte ver filme de terror levanta a mãooo!!!  Õ/ eu! Eu! Eu! Kkkkkkkkkkkk Okay, Mel, aceite que você é a única que vê filme de terror a noite e ainda dorme a noite inteira de boa. (sim, eu faço isso u.u), mas eu vim dar a dica mesmo assim.
Já ouviram falar de Intrusos? Pra mim, o nome deveria ser Apavorados ou então Sem Rosto, esses sim tem haver com o filme. Por milagre, a tradução do nome está correta, já que em inglês é Intruders, mas mantenho minha opinião.

A história é assim: um garotinho escreve uma história sobre um homem sem rosto, um homem que não era amado, ele era invejoso e ciumento. Ele via pais beijando e abraçando seus filhos e queria ser como os filhos, mas isso não é possível porque ele não tem rosto. Então ele decide roubar o rosto de alguém. O menino começa a viver a história, como se os personagens fossem reais e a mãe dele se envolve também. Uma garota encontra história. Ela lê e começa a escrever uma continuação. Ela, então, vive a história, assim como o garoto. E exatamente do mesmo modo, o pai da menina se envolve na história.
Para quem curte filme de terror, esse aí é classificado como suspense, mas para quem morre de medo... Bem, digamos que se vir não vai conseguir dormir, então não veja a noite ou as conseqüências serão piores. Mas veja o filme, ele é demais! Passa uma mensagem: Não importa o que aconteça, o Sem Rosto estará no seu armário. MENTIRA! (PEOPLE NÃO TENHAM MEDO) A mensagem é que não importa o que aconteça, seus pais estarão sempre com você e eles sempre estarão te protegendo. Sempre. Eu achei o final muito bonito, mas o decorrer do filme dá muuuuito susto!

 “Sem Rosto levantou porque chamaram seu nome, depois de muitos e muitos anos. Ele não era alto nem baixo, nem gordo, nem magro, ele não tinha forma, não tinha sequer um rosto.“


Espero que tenham gostado! Deem dicas sobre o que querem que eu fale!



Recomendando livros


Querido Diário Otário


Heeey people!
Sabiam que eu sou total e completamente apaixonada por literatura? Pois é, e eu vim recomendar uma serie de livros infanto-juvenis bem legal. Pra quem curte ler como eu, a serie é bem bobinha, mas foi com a qual que comecei. Querido Diário Otário conta as aventuras e problemas de Jammie Kelly, uma adolescente normal que vive situações normais.
Okay, quem eu quero enganar? De normal ela não tem nada! Jammie tem uma mãe que não sabe cozinhar, um pai que não sabe ser legal, dois cachorros fedidos, a tia casada com o tio de sua pior inimiga, uma melhor amiga que eu não consideraria minha amiga de jeito nenhum e um carisma que só lendo pra saber! O ar me falta varias vezes enquanto leio seus diários (já são 12, mas são pequenos, relaxa, e mais um pra você escrever), acredite, são hilários! E vem cá, quem não ri da desgraça dos outros?
Você pode achar exemplares de seus diários em qualquer livraria, mas tenha cuidado: Se ela te pegar lendo seus diários, considere-se morto(a).
Ler não é tão chato quando se está lendo um livro de comédia, okay? Então boa leitura e a gente e vê por aí ^.^

sábado, 17 de novembro de 2012

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

E daí



     Eu estou assim agora: Mandando ‘foda-se ‘ pra tudo que me desagrada e me concentrando no que realmente é importante.
     Vou rir, brincar, sorrir, zoar... Quero gargalhar o tempo todo! Divertir-me sendo louca e sem noção do jeitinho que eu sou, extrovertida e histérica, infantil e tagarela.
     Lambuzar-me de chocolate, comer bala de gelatina, correr, pular, encher-me de pão de queijo, cantar desafinadamente, dançar como se estivesse cheia de pó –de-mico e implicar com os outros como se minha vida dependesse disso. Simplesmente rir como se não houvesse amanhã. Como se nada mais no mundo importasse. 

Erguendo a cabeça


Mas a vida é assim mesmo. Você se iludi, sofre, se magoa, e, depois, da o troco. A moral é cair, rolar e levantar. Erga a cabeça e bola pra frente que amanhã é outro dia. O que passou, passou, não da pra mudar. Então, se não podemos mudar o passado, vamos fazer o futuro, vamos fazê-lo do nosso jeito, do jeito certo. Não dá pra levar a vida aos estremos, brigando e se chateando por tudo. Temos que rir, brincar, zoar, implicar e se deixar ser implicado. Rir de si mesmo é o segredo, rir dos outros é o jeito. Pagar mico e fazer besteira, correr pela rua gritando e cantar musicas que nem você sabe a letra! Vamos apenas nos divertir, sermos nós mesmos sem dar a minima pra opinião dos outros, que tal?

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Atitude

     
A imagem não combina, mas a frase se encaixa muito bem.
     Eu passei muito tempo tentando digerir as informações e chegar a uma conclusão. A questão é que não cheguei à conclusão nenhuma.
Eu não sei se eu quero gritar com você, chorar por você ou ignorar você. Eu não sei se me preocupo ou se não estou nem aí. Eu não sei se isso tudo é bom ou ruim. Eu só sei que meu estomago embrulhou, minha garganta deu nó e meu coração está novamente servindo de brinquedo pra cachorro.
      Não sei se me sentir assim é realmente certo, necessário. Não sei o que significa e nem como agir diante dessa situação. Talvez você esteja certo, talvez esteja errado. Talvez eu seja a errada na história toda! Ou talvez nenhum dos dois esteja realmente certo.
      Não posso xingá-lo, dizer que brincou comigo e etc, porque não é verdade. Mas não posso negar que estou magoada. Você afirmou que dói: é tão doloroso pra mim quando é pra você. Quando decidiu isso? Quando tomou a decisão de ir embora? Sei que acha que está fazendo a coisa certa, sei que posso estar sendo impulsiva, mas não me parece a coisa certa! Nunca pareceu, nunca foi a coisa certa, tá bom, eu sei! Eu tenho a mania de gostar do que está longe, eu tenho o defeito de me apegar fácil demais às pessoas. Isso sendo ou não minha culpa, eu não posso evitar!
      Não vou mais te esperar ansiosamente todo dia às 18h no MSN. Não vou mais entrar no seu tumblr. Não vou procurar. Mas quero que saiba que tudo o que farias por mim, eu faria por você, exceto uma coisa: Desistir. Mesmo que não houvesse esperanças e que estivesse estampado em letras grandes e coloridas bem a frente que não daria certo. Eu não desistiria.
      Falei, falei, chorei, me recompus, falei mais um pouco e não cheguei a lugar nenhum. É, eu disse que não tinha concluído nada. Dizem que o que não nos mata, nos fortalece. Será? 

domingo, 30 de setembro de 2012

Seu Comentário Nos Faz Crescer



Heeeeey my dears! Vim avisar que estou participando da campanha do Blogando Seu Assunto (http://blogandoseuassunto.blogspot.com.br/): Seu Comentário Nos Faz Crescer! Eu concordo plenamente com o que a Larissa disse. Participem da campanha também e comentem, não só nos blogs, mas em tudo!


 

sábado, 22 de setembro de 2012

O que você faz por mim?



       Eu fico me perguntando se você entra no meu tumblr toda vez que entra na internet, que nem eu faço com o seu. Pergunto-me se você sabe os horários que eu com certeza estarei online. Pergunto-me se você fica imaginando momentos de nós dois juntos, como eu fico. Pergunto-me se você fica abrindo nossa conversa no MSN, só pra ver se eu estou digitando. E se você busca as musicas que eu ouço. Pergunto-me se você tem curiosidade em saber o tom da minha voz, e se você nos imagina no lugar dos casais de fotos aleatórias. Pergunto-me se você pergunta sobre mim pras minhas amigas.
       Eu gostaria que fizesse tudo isso. Que escrevesse mais vezes pra mim. Que soubesse o quão decepcionada fico quando entro no MSN e você não está online. E o quão feliz ao vê-lo me chamar de ‘pequena’, principalmente quando o ‘minha’ precede tal palavra. Sabe quando veio falar comigo no dia daquela festa chata que eu tinha que ir? Lembra-se do que disse? Colocaste um sorriso idiota no meu rosto com aquela frase.
       Se eu pudesse, meu amor, eu já estaria aí há muito tempo. Se eu realmente pudesse usar magia... Se estudássemos em Hogwarts... Nos veríamos todos os dias. Todas as horas. Todos os minutos! Todos os momentos. Sempre. E aí sim, eu seria realmente sua.

       ps: contei que quero me fantasiar de Minnie na minha festa de 15?? 

Sono


     
      Enquanto a lapiseira desliza por esta folha, a professora de matemática fala lá na frente. Minha unha reluz o esmalte metálico. A cor combina com o uniforme. Azul. Engraçado, né? Minha mente está longe da sala de aula, minhas pálpebras pesam, a franja teima em cair sobre meus olhos, a cabeça deitada sobre o fichário. O ar gelado que sai do ar-condicionado e o moletom são a combinação perfeita para um bom cochilo. Suas palavras ecoam na minha cabeça. Todas as que já me disse. Todas elas. 

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Algo estranhamente bom



     Ás vezes, a gente se apaixona logo pela pessoa mais longe de você. Distance
     Daí você hesita em se entregar, em se declarar. Reluctance
     Mas a pessoa domina sua mente e você passa a ter necessidade de falar com ela. Daydream
     E sem nem perceber, você está totalmente apaixonada, você é pega pelo amor. In Love
     Você passa a olhar o mundo com outros olhos, olhos mais meigos, mais doces. On the cloud nine
     Tudo parece mais brando quando ele está por perto. Everything will be alright
     E você se da conta do que faz, do que diz e percebe que por mais que a pessoa te faça bem, talvez você não seja boa o suficiente para ela.
     Mas em meio a tudo isso você se perde e os obstáculos vão perdendo a importância. Você se perde e não tem vontade de se achar. Confused but happy
     E você já não sabe o que sente. Love 

Dia perfeito



       Sabe quando o sol aparece no fim da tarde, depois de um dia se chuva, mas sem sumir com a ventania gélida??? É esse o tipo de dia mais perfeito pra mim. Você pode passar o dia todo lendo ou mexendo no computador, mas quando o sol surge você precisa sair de casa! Passear pela rua, ir até a pracinha ou sei lá. Pode até mesmo abrir a janela e continuar lendo, vestindo uma camisa bem larga, short e meias bem confortáveis. E fazer isso até a noite cair quando já estará na hora de passar para outro passatempo. Um dia perfeito como esse só seria mais perfeito se vocês estivesse aqui e poderíamos passar a noite deitamos na cama vendo filmes e comendo pizza, pipoca, balas fini e bebendo coca-cola. Parece perfeito pra mim, e pra você?

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Love


     
       Eu sei que estou brincando com o fogo. Okay, eu sei que não é nem um pouco justo e/ou certo com você e eu sinto muito por isso, só que é inevitável.
      Durante o dia, eu tento não ficar livre, me mantenho ocupada, porque eu sei que se ficar a toa você virá a minha cabeça tão rápido quanto uma estrela cadente atravessa o céu. É impressionante como você é a primeira coisa que me vem a cabeça quando vejo horas iguais, ou quando ouço payphone. Sabe por que payphone? Porque foi a primeira música que você cantou comigo.
      Eu sei que você não entende o porque do “eu não poder”, e eu queria ter forças suficientes para me afastar, ignorar, esquecer, mas eu não tenho. Eu estou me entregando demais, me afastando demais da realidade. E eu não ligo pra isso. 

Doce sonho


    
      Sonhei que dormira lhe mandando mensagens de textos.  Sonhei que aparecera na minha casa logo pela manhã, trajando um macio pijama azul.
     De repente, minha mãe já lhe chamava de genro, sua roupa já era informal e eu já estava arrumada. Nós estávamos sentados no sofá da sala, lado a lado, minha cabeça caia sob seu ombro e seus dedos estavam entrelaçados aos meus;
     Não me pergunte porque, mas era seu aniversário e, do nada, estávamos numa boate com seus amigos. Sim, seus amigos. Sim, em Fortaleza.
     A boate era estranhamente escura e lotada, apenas um gigante telão (onde se via cenas de jogos antigos de futebol) iluminava o local. Logo embaixo dele, lia-se FELIZ ANO NOVO (não pergunte -.-‘)
     Depois disso não me lembro de muita coisa. Sei que ficamos e que a Ana apareceu por lá puxando meus cabelos, mas foi um sonho e eu não sei porque nem como essas coisas aconteceram. Mas te ver de pijama no meio da minha sala de estar –mesmo em sonho- , não tem preço! 

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Por favor? *-*


        Chega por trás de mancinho, me abraça. Roce seus lábios na minha orelha e sussurre palavras doces. Trace uma linha de beijos pela minha bochecha até a minha boca. Cole nossas testas e se perca em meus olhos.
        Deixe-me deitar em seu peito e faça caricias nos meus cabelos. Recite um singelo e calmo poema, sorria docemente ao olhar em meus olhos.
        Murmure meu nome antes de me beijar, diga boa noite e me abrace com força. Faça segundos parecerem horas e horas parecerem a eternidade. Leve-me às nuvens e me deixe por lá. Faça-me rir, deixe minhas bochechas vermelhas.
        Diga que me ama na calada da noite.

sábado, 25 de agosto de 2012

Just me



    Eu sou o tipo de garota que vai chegar pulando na escola segunda-feira de manhã e que vai fazer você rir o dia inteiro. Aquela garota que vai te bater se fizeste algo errado, que vai rir das suas piadas por mais sem graça que forem, que vai te zoar eternamente por um mico do passado. Sou o tipo de garota que esquece o que comeu no jantar do dia anterior, mas não esquece a letra de uma música que ouvia aos cinco anos e nem as falas do filme que era viciada dois anos atrás. Sou o tipo de garota que vai ter sempre um sorriso no rosto. Mas também sou o tipo de garota que cai, se machuca, se iludi, se magoa, se irrita. Nos meus piores dias, coisas que me fariam rir normalmente, me deixam brava ou triste. Meu maior defeito é confiar demais, me entregar demais, nunca ver a maldade nas pessoas. Sou o tipo de garota que não consegue esconder o que sente. Sou dramática, sou divertida, sou doce e doida, você pode não gostar, mas sou eu. 

domingo, 5 de agosto de 2012

O amor é um ilusionista



     Daí ele vem, chega de mancinho, te agarra, te sufoca, te deixa angustiada, para então revelar-se maravilhoso. Te causa sensações super diferentes e gostosas, deixa você com frio na barriga, coração acelerado, rosto corado, te deixa toda boba. E então ele mostra o que realmente é: Um Monstro. Um monstro disfarçado de ursinho de pelúcia. Ele te destrói, te derruba, te mata aos pouquinhos, te faz sofrer. E vai embora. Te deixando ali, no chão, jogada. Ele te abandona, esperando que morra ou se recupere sozinha para que volte e faça tudo de novo. 

Sinto sua falta




              As gotas batem na janela num ritmo compassado e molham as folhas lá fora. O vento sopra sonoramente e balança as arvores do outro lado da janela. Eu estou aqui dentro, segura, seca, quente, mas sinto falta de algo. Sinto falta de braços ao meu redor, me abraçando, de lábios no meu ouvido, sussurrando, um corpo quente e macio perto de mim. Sinto falta de você. 

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Conversa de amiga


-Você acha que eu o amo?
-Isso quem tem que dizer é você.
-Eu não sei o que é amor.
-Então vá descobrir.
-Mas ele nunca vai me querer, isso é impossível!
-Só por que ele mora longe de você?
-Também.
-Mas você já aceitou sair com ele.
-É... O que passou pela minha cabeça quando eu disse aquilo?!
-Não foi sua cabeça, foi seu coração. 

Iludida




     Sabe o que eu odeio? Mentiras. Pessoas que dizem que estarão sempre ao seu lado e do nada desaparecem. Pessoas que dizem que te querem bem, mas quando você diz estar mal, elas nem ao menos respondem. Pessoas que dizem gostar de conversar contigo e um dia passam a te ignorar, sem te dar motivos.
     E sabe o que mais? Falsidade. Gente que conversa de boa com você, mas que corre pra contar a todos o que disse. Gente que finge ser seu amigo, para depois contar mentiras sobre você. Gente que faz de tudo para ser querido e depois não da bola para aquelas pessoas. Gente que roda o mundo querendo apoio e depois desiste do que queria fazer.
      Eu odeio quando as pessoas me iludem. Eu odeio quando elas mentem pra mim, quando me decepcionam. Eu estava voando tão alto que a queda foi grande, mas agora não tem mais onde me segurar e cai no chão. Mas do chão eu não passo, né? Será? De cara no asfalto, de bunda no chão, de cara com a realidade. E a realidade é que você me iludiu, você me decepcionou. 

sábado, 28 de julho de 2012

Pais são tudo igual, só muda de endereço

 
      Fones de ouvido, Link Park no ultimo volume e luzes apagadas. Meus pais podem fazer o que quiserem quando quiserem, mas eu dependo deles. Eu tenho que esperar eles terminarem suas coisas para que eu posso fazer as minhas, tenho que falar baixo e obedecer, tenho que fazer o que mandam sem reclamar. Afs! Ás vezes, da uma vontade de gritar e jogar tudo no chão, quebrar tudo que estiver ao meu alcance ou apenas gritar. quem sabe assim, eles não entendem que não sou mais um bebe que precisa de atenção 24h? Quero poder falar o que quiser, ir onde quiser com quem quiser, vestir o que quiser, falar o que quiser com quem quiser, agir como quiser, dormir quando quiser, acordar a hora que quiser... Quero poder ser quem quiser.

domingo, 1 de julho de 2012

As coisas sempre dão errado

 Eu não sei a hora de falar. Não sei a hora de ficar quieta, não sei o que posso e deo dizer,nem em que hora dizer. não sei se devo agir assim ou assado. Não sei se devo fazer isto ou aquilo. Mas por alguma razão eu sempre falo/faço o errado na hora errada. E não são erros que um simples pedido de desculpas resolva. As pessoas passam a ame olhar diferente, a me tratar diferente! Eu tendo melhor e ajeitar a situação, mas eu só pioro as coisas! Isso realmente me põe pra baixo. Devo me isolar do mundo?
 

Eu&Você


    Às vezes, me pego imaginando nós dois em um jantar romântico, andando a beira mar, sentados lado a lado no cinema ou simplesmente abraçados. Devia ver meu estado quando caio na real, quando volto daquele mundinho onde nós dois estamos juntos, onde você diz que me ama. É realmente difícil conversar com você e não me declarar, mas ainda sim eu fico contando os minutos pra falar contigo. Eu me atrapalho, falo besteira e você ri como se fosse proposital. Por vezes você desaparece e me ignora... Eu realmente fico chateada numa situação dessas, mas não te digo nada com medo da sua reação. O pior é que o mundo onde estamos juntos e felizes só está na minha mente e nunca vai sair de lá. Não é que eu não queira, por que eu quero e muito até, simplesmente não é o certo. E apesar desse “certo e errado” me aborrecer, eu não posso contradizê-lo. Deixo então o “você&eu” na minha imaginação.

sexta-feira, 25 de maio de 2012

Wi-fi

    Sento na cadeira giratória com um animo anormal. Abro o notebook e espero ligar, entro com a senha e conecto a internet. 
   Entro no MSN, abro o e-mail,  o youtube e o tumblr. A internet fica lenda e cai. Já não tinha tanto animo assim.
   Fecho tudo e conecto novamente a internet, dessa vez, abro uma coisa de cada vez. Ah, agora sim!
   E então estou eu lá, de boa, conversando, ouvindo musica e reblogando. Ma o vídeo parou de toca, os posts demoram mais a carregar e não me chamam mais no MSN. 
   A internet caira novamente.
   Sabe aqueles filmes futurísticos que mostram um futuro robótico cheio de tecnologia avançada? Ah, como filmes enganam! Eles dizendo-nos que em 2012 já teríamos robôs para nos servir e ainda estamos aqui, desembaraçando fones de ouvido e com a internet a cair. 
    Definitivamente: Afs! 


quarta-feira, 16 de maio de 2012

Amizade verdadeira

Ela correu. Ele foi atrás. Eu apenas gargalhava. Observo-o a abraçar e a girar no ar, ao longe. Corro até eles, enquanto sentam no chão e me jogo em cima deles, derrubando-os. Dentre gargalhadas.
Nos sentamos no chão, comportados, e controlamos o riso. Encontro o rosto de Julia. Ela me olha. Encaramos Diego. Caímos em risos outra vez.
Sabe, eu adoro isso. Esses ataques de risos incontroláveis, as brincadeiras, as gozações, os xingamentos... Isso é amizade afinal, não é?
            -Vocês me fazem passar por maluca! –Eu digo
-Claro, claro. Nós! –Ela responde
-Ah, calem a boca, vadias! –Ele reclama
-Vem calar, idiota! –O empurro
-Não empurra ele, vaca! –Ela me empurra, então
-Ah, eu sou a vaca aqui, sou? –Provoco com cosquinhas –Sou,é?
-Ah, para! –Ela pedia entre risos enquanto eu fazia cócegas nela, acompanhada de Diego.
Logo estávamos os três brincando.
Viver chamando uma “amiga” de fofa, flor, miga, querida... Vindo de mim, não é amizade. Porque, pra mim, amizade é ter intimidade suficiente para xingar a pessoa, sem ela se importar; é fazer drama e levar um fora. É tollar e ser trollada de volta. É bater e beijar. É xingar e elogiar. É zoar,mas se importar. É fazer piada com a dor para depois ajudar.
Esse é o tipo de amizade que eu gosto de ter, porque, pra mim, essa é a verdadeira amizade.

sábado, 12 de maio de 2012

Mamãe

Segundo domingo de maio
Um dia muito especial
O dia das mães

  Mãe. 
Uma palavra tão simples e tão simbólica, de tantos significados... Cada um a entende de um jeito, cada um lhe da um significado. Uns tendem a achar que mãe só serve pra brigar. Outros que mães são deusas. Outros ainda nem tem mãe. Que coisa terrível, não é? Crescer sem aquela mulher, que te gerou, ali por perto, seja por qualquer razão. Não ter quem te embonecar, quem pentear seus cabelos, de quem roubar a maquiagem e as roupas... Isso, é claro, falando de uma menina!
      Para mim, dia das mães é todo dia, afinal porque existir apenas um dia para admirá-la? Se no dia das mães você diz que ela é tudo, que você a ama e que ela merece tudo de bom, por que não dar a ela esse "tudo de bom" todos os dias? Por que só uma vez por ano?
      Sabe quando você da o presente e diz que ela merece muito mais? Não estamos falando da viagem para Teresópolis como diz o anuncio do radio, mas sim que ela faz tanto, o tempo todo, que aquilo ali, aquela coisa material embrulhada e enfeitada, não basta para recompensá-la.
O comercio diz coisas tão absurdas nos anuncios que o significado do dia das mães já se perdue a muito tempo. E aí você me pergunta: Então, Mel, qual o significado do dia das mães?
Simples. Eu lhe respondo. Um dia para lhe lembrar que você deve a sua vida a sua mãe, ou seja, que você deve tudo a ela. E por mais que pareça pouco, aquela frase que você já está careca de ouvir significa pra sua mãe muito mais do que mil caixas de presente.


sexta-feira, 4 de maio de 2012

Lançamento livro Almoço em Família




    Ooooooi gente! Tudo bom?
   

    Então, ontem (3/5/12) foi o lançamento do livro Almoço em Família. Pra quem não sabe, esse livro consistia num concurso de crônicas escritas e enviadas por autores iniciantes, organizado pela Zélia de Oliveira e pela Roxane Norris, publicado pela Aped - Apoio e Produção Editora Ltda e pelo site eucoracaolivros . Dentre 45 crônicas participantes, 30 foram escolhidas para estar no livro cujo o coquetel de lançamento foi ontem. Eu, como uma das autoras ganhadoras, estava presente e realmente fiquei muito feliz. Foi a minha primeira tarde de autógrafos e eu fiquei muito grata e, é claro, nervosa. Conversei com muitos "colegas de livro" e foi muito bom trocar ideias e tudo mais. Apesar da maioria não morar na mesma cidade que eu, pretendo manter contato com eles, porque foi minha primeira experiencia com autógrafos (que por sinal ficaram péssimos) e primeiras experiencias não se esquecem!
   As fotos tiradas estão no celular do meu pai, que não está perto de mim, no momento, mas acredito que o site eucoracaolivros vai publicar algumas das muitas fotos tiradas no evento em breve.
   A partir de agora vou divulgar alguns concursos aqui pra vocês terem a chance de participar também!
   Obrigada a todos os presentes ontem por me deixarem tão feliz!
   Um grande beijo!
Mel.

sábado, 14 de abril de 2012

Beijo

   Como se fosse verdade, como se fosse certo, como se fosse meu ultimo minuto de vida eu te beijei, como se minha vida dependesse disso. Te beijei sem me importar com o depois, pela primeira vez na vida. Naquele momento, no momento em que sua lingua invadiu minha boca eu senti como se explosões destruíssem todo o mundo e só sobrasse nós dois para contar a história, mas não poderíamos fazer isso porque estávamos ocupados demais nos beijando. Senti como se nada mais importasse. E não importava.

quinta-feira, 5 de abril de 2012

Palavras boas X Palavras ruins



   A vezes precisamos de alguém com quem desabafar. As vezes precisamos de alguém com quem conversar. As vezes precisamos de alguém com quem brigar. Sim, brigar. Quando sua cabeça está a mil e você não consegue mais suportar tanta coisa e sente que vai explodir a qualquer momento, explodimos com quem gostamos. É sempre mais fácil explodir com quem te ama, porque sabe que essa pessoa não deixará de te amar. O problema é explodir com que você acha que te ama, e depois de explodir, brigar e xingá-la. Ela fica brava, te xinga também e não te entende. E ai você perde uma pessoa que achava que te amava, mas eram só palavras. Palavras enganam, muito, demais, e elas doem quando não querem ser ouvidas. Elas doem quando são duras demais. Palavras machucam, ferem, tal como fazem nos sentir bem, especiais, queridos. Então, por quê? Por que não podem existir apenas as palavras boas? Por que também tem que existir as ruins, que servem apenas pra magoar-nos?

sexta-feira, 23 de março de 2012

Saudade da infância

                                              
   
   Ah, aquela época aquela que a gente ia para a escola só pra fazer pintura a dedo, brincar de pique, joga bola, brincar de casinha, lanchar e dormir... Como era bom o tempo em que tudo o que víamos de novo, era algo realmente emocionante. A época em que acreditávamos em contos de fadas, em historinhas de dormir... Em que tudo o que as brincadeiras pareciam reais. A época em que nossa imaginação era tão fértil que uma simples caixa de papelão podia ser mil e uma coisas. Aquele tempo que eramos paparicados por toda a família, ganhávamos os maiores presentes, eramos constantemente zoados pelos mais velhos por acreditar no papai noel e no coelhinho da pascoa! Ah, aquela época... Bons tempos aqueles, bons tempos...
   Tentar dar cambalhota, fazer poses para fotos, tentar segurar bolhas de sabão, se fantasiar, fazer uma incrível diversidade de comidas invisíveis, sempre lamber a colher usada pela mamãe para preparar o bolo no fim da tarde, a felicidade de apagar as velhinhas naquele dia especial, quando uma simples mascara de papel te transformar num incrível super-herói! Sim, aquela foi, é e sempre será a melhor parte da vida de qualquer um.

Ainda sou criança

   As vezes, eu gosto de sentar frente a TV e assistir todos aqueles programas bobos que via quando pequena. Rir de como eu era boba por gostar daquelas bobagens. Mas sempre acabo por rir, não de deboche, mas uma risada sincera, de que encontrei alguma graça ali. Gosto de voltar a ser criança, nem que seja por apenas alguns minutos. 
   Na escola, quando dizem que estou parecendo uma louca, falando coisas sem nexo e rindo de besteiras, discutindo coisas sem noção, eu estou apenas voltando a minha infância porque não quero ser como os outros que crescem e esquecem a criança que um dia foram. 
   Quando estou brincando de boneca sozinha no meu quarto, ouvindo as musicas que costumava ouvir e que agora estão "ultrapassadas", ou só vendo aqueles filmes infantis... Eu só estou relembrando minha criança interior. 

   Eu posso estar alta, madura, em não sei que ano na escola, com boas notas. Posso ter meu corpo formado, minha cabeça definida, posso ter o que for e ser o que for. Não importa! Por que não posso gostar de bichinhos de pelúcia? Ou da Discovery Kids? Por que não posso curtir Floribella? Eu gosto de ter esse lado infantil, é bom, e não preciso, nem vou mudar isso. Você também não deveria, ou vai dizer que não sente falta dos Teletubies? 


Das antigas


   Escrever é algo tão gosto de se fazer, que desde muito, muito tempo atrás, crianças, as pessoas arrumavam jeitos de facilitar essa experiencia tão boa.

O frio


Suspirei.
Coloquei os pés no chão sentindo o frio percorrer meu corpo num arrepio. Cruzei os braços diante do peito e caminhei até a janela do quarto. A lua caia no céu, me roubando o dia e me deixando a noite.
Sai de casa.
Fechei os olhos jogando minha cabeça para trás, respirando o ar nem tão puro, o vento que batia em meu rosto. Abri os olhos e abracei meu corpo sentindo o frio me tomar novamente, por inteira. O céu passava de azul claro, para azul escuro, o sol dava lugar a lua e as estrelas naquela imensidão azul, ao alto, sem nuvens.
Suspirei.
Era mais um frio dia que se acabava em minha triste vida.

segunda-feira, 19 de março de 2012

Coração não fala





     Tempos atrás, eu me perguntei como seguir meu coração, se ele não anda. Achava ridículo que falassem “ouça seu coração”, como se ele não fala? Eu não entendia como isso era possível, nem como fazê-lo. Ate ontem. Eu, até que enfim, percebi que você só aprende a seguir e/ou ouvir seu coração quando realmente precisa. 

Apenas viva


A vida pode ser do jeito que você quiser.
Apenas erga a cabeça e siga em frente quando não der certo, continue tentando.
Apenas diga “não” ao que não gosta, mude. Tente.
Apenas deixe o passado pra trás, viva o presente, sonhe o futuro.
Apenas saia com os amigos, converse com quem gosta de conversar, brinque com quem brinca com você, zoe com a galera, beba, vire a noite no PC, sei lá!
Apenas faça o que quiser!
Apenas divirta-se!
Apenas sorria.
Viva sua viva, cara! Porque você nunca sabe quando ela vai acabar.

Discussão de melhores amigas


Você
Que ilumina minha vida
com seu sorriso maroto
e seu jeito meio doido
com seus passos estranhos
E muito descoordenados.

Com suas falas
de dar medo
e seus olhos negros.
Me fazem entender
que melhores amigas
são como você.
          Kate Vaz para Melissa Luz


Você tem tripla personalidade
Mas as três são hiper legais
Uma é pirada
A outra é chata
E a outra chega a ser ate "normal"
Mas não me faz mal
Porque essa maluquice toda,
É o que te faz especial.
É o que te faz tão parecida comigo.
É o que te faz minha melhor amiga.
                              Melissa Luz para Kate Vaz

Essa sou eu
louca como sempre
sorrindo como sempre
falando como sempre
olhando pra você
minha bff
de corpo e alma
minha inspiração
minha diversão.
             Kate Vaz para Melissa Luz

Ok,ok,ok,
Essa é sua!
Você ganhou a discussão.
Mas não se esqueça!
Você está em metade do meu coração!
                           Melissa Luz para Kate Vaz

Apenas um

   Ela  se virou e ele estava lá, com aquele sorriso torto que fazia seu coração acelerar. Aqueles olhos que tanto a agradavam, que lhe davam segurança. 
   A garota se jogou naqueles braços fortes, envolveu-se no pescoço dele e afundou a cabeça em seu ombro. Ele a puxou para mais perto, apertou o corpo dela contra o seu, mergulhou o rosto em seus cheirosos cabelos.
   Era ali, juntos, nos braços um do outro, que eles se completavam., Que eles se permitia ser completamente um do outro. A dor, a tristeza, a solidão, nada mais importava, um sempre espantava os males um do outro e juntos o mundo era só deles.
   -Eu te amo, seu idiota! -Ela disse dentre as lagrimas que começavam a cair, apertando ainda mais forte o pescoço do menino e esquecendo completamente a briga anterior.
   -Também te amo, minha menina. -Ele respondeu passando a mãe pelos pedos cabelos da namorada e apertando mai ainda. Sentindo o corpo dela colado ao seu, como se fossem um só.

Outro tipo de amor


   Não havia um dia que se passasse e eles não discutissem. Não havia um dia em que eles  não se provocassem. Não havia nem sequer um dia que eles se dessem bem. Mas quando ela quase foi atropelada, foi ele quem a salvou, foi ele quem tomou suas dores, foi ele que foi internado.
   Porque não importa o quanto eles briguem e falem que se odeiam, eles se amam, no fundo, pois irmãos é irmãos.

domingo, 18 de março de 2012

Temporal


   A chuva caiu. O céu despencou, desmoronou. O temporal finalmente aconteceu.
Em baixo da água, eu estava completamente molhada. Apenas alguns minutos se passaram desde que a água começou a cair. Eu tinha as roupas coladas no corpo e o cabelo molhado. Estava completamente encharcada.
   O vento batia contra meu corpo, empurrando-o para o lado. Mas meus pés estavam fixos no chão. Eu não me movia. A água batia ferozmente no meu rosto, o vento tentava me mover, meu olhar petrificado ao longe.
   O céu cinza, tomado por nuvens horrorosamente negras. As pessoas passavam por mim como vultos, todas de guarda-chuva que trombavam uns com os outros. Alguns me empurravam, outros passavam longe, mas todos eram vultos que andavam rápido demais para que visse seus rostos. Tentavam fugir da chuva.
As folhas das arvores balançavam como se dançassem. Os pequenos pássaros voavam para longe, tentavam se abrigar da chuva. Todos tentavam. Menos eu. Terra, areia, água, meu pé, era o que tinha dentro do meu sapato.
   A chuva caia em mim, o vento me empurrava pro lado, mas eu não ia. Permanecia parada, embaixo daquele temporal.
   Eu não sentia. Eu não ouvia. Eu não falava. Era como se estivesse isolada do mundo ao meu redor. Como se estivesse dentro de uma bolha que mantinha tudo longe. Quem me dera fosse verdade. Mas não era e a água continuava a bater contra meu corpo.
   Fechei meus olhos.
   A água molhava meus lábios, meus braços, minhas roupas, meu cabelo.
   Abri-os.
   Como se saísse do transe, aos poucos. Deitei a cabeça pra trás. Pude ver então o céu, aos meus olhos estava pior do que parecia. A chuva só aumentava. Só piorava. Só se tornava mais feroz. A neblina se instalou no lugar. Dificultando minha visão, mas do que isso importava?
   Todos fugiam da chuva, como se conseguissem, como se fosse possível. Uns se instalavam em baixo de toldos, alguns dentro de lojas, outros entravam em suas casas, mas a chuva continuava a cair. Sem parar.
   Tal como as pessoas, os carros por aqui passavam. Como vultos. Vultos que espirravam água nas calçadas, causando aquele o constante barulho. Vultos mais rápidos. Mais velozes. Vultos de automóveis. Como se estivessem mortos. Como se fossem fantasmas. Talvez essa fosse eu. A fantasma ali. Talvez fosse eu o vulto.
   Observei atentamente a gota escorregar pela lente do óculos, cair na minha bochecha, correr por minha boca, meu pescoço e se juntar as outras na minha blusa. Varias outras a imitavam a seguir. Voltei meu olhar ao alem. Os vultos, as casas, prédios, arvores, tudo. Eu não via. Meu olhar estava fixo no nada. Tudo o que era real se embaralhava na minha mente, tornando-se apenas uma obra abstrata. Eu não piscava, como em uma singela brincadeira.
   A água continuava a bater contra meu corpo, o vento não desistira de me empurrar para longe dali.  Mas eu não saia do lugar, eu estava parada debaixo do temporal, e era ali que ficaria. 

Uma flor amarela


   Existia, a muito tempo, no Sul, um bosque de flores brancas, azuis, e verdes.
Um dia, um brotinho amarelo apareceu em meio as flores azuis e verdes. Todas estranharam, afinal, o bosque de flores vermelhas, laranjas e amarelas era no Norte.
   Muitos descriminaram-na por isso. Ela não era querida por muitos ali. Por fim, decidiram que a pequena florzinha amarela merecia uma chance e com o tempo ela cresceu, floresceu e mudou tudo e todos a sua volta, bem quase todos. Muitos ainda a discriminaram, porem ouros a apoiavam para erguer a cabeça e ser forte, seguindo em frente.
   Agora, a florzinha amarela está doente e corre risco de morre, ela ainda é muito desprezada e estes que a desprezam anseiam sua morte. Talvez, ela não tenha força suficiente para enfrentá-los e se manter firme e forte, mas talvez, com apoio, ela consiga. O problema é que não se sabe qual lado vence: O que quer a morte da pequenina flor amarela, ou o que quer a sobrevivência e germinação dela. 
   A pequena florzinha amarela é como o nosso amor, ambos nasceram no lugar errado. 

sábado, 17 de março de 2012

Sonhe


Sonhar faz bem.
Sonhe com o futuro.
Sonhe com a vida.
Sonhe com o mundo.
Sonhe comua família.
Sonhe com tudo!
Sonhe com comida.
Sonhe com seus desejos.
Sonhe com a liberdade.
Sonhe com roupas.
Sonhe com pessoas.
Sonhe com casas.
Sonhe com borrachas!
Sonhe comigo.
Sonhe contigo.
Sonhe com vampiros.
Sonhe com filmes.
Sonhe com musica.
Sonhe com sonhos!
Sonhe com o que quiser.
Apenas sonhe.
                                                                                                                 -Melissa Luz

Sobre mim


     Hoje, mais cedo, me peguei imaginando o que as pessoas da minha nova escola vão pensar de mim. Conclui que vão achar que sou uma puta de uma patricinha mimada que só se importa com unhas, cabelo e maquiagem, pelo jeito que me visto. Talvez, se pegarem meu celular, me chamem de rockeira, pela quantidade de rock que tem no meu celular. Pode ser que me chamem de nerd, por minha inteligência e organização.
     As pessoas tem o estranho, porem inevitável, habito de julgar as pessoas pela primeira impressão, pela aparecia, a verdade é que se elas si preocupasse em vir falar comigo, em me conhecer melhor, descobririam que eu apenas gosto de me produzir, que comecei a ouvir rock a pouco tempo e que sou sim organizada e estudiosa, mas não deixo de ser uma pessoa sociável por isso.
     Elas saberiam que eu sou filha única numa família bem grande, que eu AMO ler e escrever é minha paixão. Saberiam que sou mais intima dos meus amigos virtuais do que dos reais, e que eu passo bastante tempo no computador. Saberiam do porque do meu nome, que eu uso aparelho, que meu quarto é roxo e sou péssima com acentos! Saberiam que não sou ligada a CD’s e DVD’s, pois prefiro baixar a musica na internet, que eu não vejo series de TV e que prefiro Harry Potter à Crepúsculo.
     Elas saberiam muito mais sobre mim, do que o que escrevi nessas linhas.